Uma breve carta vinda do passado

“Faz tanto tempo que você não recebe uma carta que deve estar achando estranho ter chegado uma assim, do nada. Mas é que, sabe como que é, de vez em quando é bom a gente ler palavras de conforto e relembrar momentos bons da nossa vida.

Essa carta em especial é para te lembrar apenas uma coisa: Nunca desista dos seus sonhos, porque eles são o que te move. E que eu me lembre, você sempre foi muito sonhadora e conseguiu realizar, se não todos, a maioria dos seus desejos.

Você se lembra do primeiro? Aquele, realizado em 2012 que te arrancou muitas lágrimas e mudou completamente a sua vida? Tenho certeza que sim, afinal era tudo o que você mais queria, entrar em uma faculdade pública.

Sei que foi um choque para todos, inclusive para sua mãe que nunca imaginou que o seu bebê fosse sair de casa tão cedo pra estudar fora. Mas, graças a Deus, tudo deu certo e você recebeu todo o apoio do mundo nessa nova empreitada.

E o amor? Há, o amor. Ele também chegou na mesma época, revirando os seus sentimentos e te levando a fazer loucuras. Essas mesmas loucuras que te acompanham até hoje . E falando em hoje, espero que você tenha dado um novo passo com o seu amor. Aquele sonho em conjunto, sabe? Que veio com um pedido quando você menos esperava, e estando aonde você menos esperava, na Colômbia.

Depois disso foram só coisas boas. Ok! Algumas nem tanto, mas sei que todas  serviram de aprendizagem. Se me recordo você já está perto de se formar, certo? Ano que vem você já termina uma etapa de sua vida e começa outra. Com novas conquistas, lugares e pessoas.

Sobre os lugares por onde você já passou, sei que não foram muitos, porém não menos importante. O primeiro deles foi uma nova casa, com novas pessoas, em uma nova cidade e um novo Estado. A partir daí, foram mais duas casas, duas mudanças, novos colegas e que hoje já se tornaram amigos.

Sei que o lugar que mais te transformou não foi aqui, ou ai, ou aonde quer que você esteja, mas sim um novo país. Um país que te fez crescer grandemente, te ensinou diversas coisas, te deu novos amigos e te fez rever vários conceitos.

Um país que foi o primeiro – de muitos – que você vai conhecer. Um país que quebrou todas as barreiras de preconceitos e esteriótipos. Um país que se tornou sua casa durante seis meses. Um país que te mostrou que você não deve sonhar pequeno e, sim, o mais grande possível. Um país chamado Colômbia.

Eu sei, e você também, que pra chegar aonde você chegou muitos caminhos tiveram que ser trilhados e muitas escolhas tiveram que ser feitas, umas boas e outras não. Sobre coisas ruins graças a Deus você não (ainda e espero que não) passou por nenhuma. Claro que tiveram algumas decepções, momentos de nervo e até aqueles momentos que você pensou em desistir. Mas não desistiu! São coisas da vida e que de vez em quando é bom a gente passar por elas.

Não vou me alongar muito (mais do que já falei), porque sei que a sua vida anda muito corrida. Só quero que você saiba que eu sempre estarei com você em todos os momentos e se precisar chorar por uma vitória, chore; se você precisar fazer uma escolha, à faça com o coração; se você tiver que pedir desculpas mesmo que a errada não seja você, peça; mesmo que algo não de certo em um primeiro momento, creia; e o mais importante não deixe de ser você, de acreditar nas suas convicções e nos seus sonhos.

Ass. Eu”

Anúncios

Seja a mudança que você quer ver

Dizem por aí que quando passamos por algo transformador em nossas vidas, a nossa vontade de mudar o mundo, ou fazer a diferença em algo, começa a gritar mais alto. E felizmente isso é verdade. Depois que voltei da Colômbia (sim, tudo agora vai se remeter a isso), os meus olhos passaram  a ver as coisas de uma maneira diferente, o meu coração, os desejos passaram a ser outros e a minha opinião sobre algumas coisas, foram sendo modificadas.

É o que eu e as minhas novas irmãs (Chris e Amanda) sempre dizíamos nos últimos cinco meses, “quando passamos da fronteira tudo foi quebrado, pensamentos, preconceitos e o medo do novo e do desconhecido”. Sensação maravilhosa, tenho que admitir, e que todos deviam senti-lá pelo menos uma vez na vida.

Mas no meio de tanta mudança, no meio de tanta transformação, no momento, o que eu mais desejo é fazer o bem. Sim, fazer o bem. Para a minha família, meu namorado, para a vizinha, para quem vir pedir ajuda com algo e, até, para aquele morador de rua. Me doar mais para as coisas boas da vida, fazer aquilo que eu realmente gosto e parar (nem que seja um pouco) de reclamar, e passar a ver a beleza que existe nas coisas da vida.

Uma das coisas que as pessoas também dizem é que se queremos ver a diferença no mundo, ela tem que partir primeiro da gente pra depois ir contagiando os outros. E por isso eu convido todos vocês a fazerem a diferença na vida/para alguém, que você mude os seus hábitos, suas palavras, suas atitudes e quem sabe até os seus sonhos, para melhor, claro. Que você pare de reclamar que as pessoas não fazem isso ou aquilo, e seja o primeiro a dar esse passo. Que você mostre para elas que as coias, muitas vezes, são mais simples do que imaginamos e que se todos pararem de pensar só em si, as verdadeiras mudanças vão começar a aparecer e o resultado só vai ser um, a FELICIDADE.

1d3e8bb260403b6cf4d38421cd02acb0

Sonhe, acredite e viva

Depois que passei no intercâmbio, a frequência com que lia – e continuo lendo – crônicas e textos sobre viagens aumentou  consideravelmente. É que nem quando você pinta o cabelo de uma cor diferente e começa ver pelas ruas diversas pessoas com a mesma cor que a sua, ai você pensar: Como que eu não reparei nelas antes? Simples, porque os nossos olhos muitas vezes estão vendados e só enxergamos aquilo que queremos ver.

Com o intercâmbio não é diferente. Depois que você passa da fronteira do seu país, você percebe que não dá para voltar atrás e que a partir daquele momento você tem que estar aberta as novas experiências. É difícil? Claro que é difícil. Passar mais de 10 horas em um aeroporto desconhecido, com pessoas desconhecidas, com uma língua – não tão desconhecida -, mas que você ainda não tem um domínio já é mais do que difícil, é um desafio a ser superado e que, claro, eu consegui superar.

Nos três meses que estou na Colômbia já dei duas entrevistas, uma para um jornal da cidade e outra para a revista da faculdade, e um relato para um blog, sobre a minha nova vivência. Uns podem dizer “nossa que chique”, mas o motivo de eu conceder essas entrevistas é poder passar para as pessoas que vão ler esse texto, que se eu consegui chegar aonde estou é porque elas também conseguem.

Que todos os nossos sonhos podem se tornar realidade e que mais do que fazer um intercâmbio, ou uma viagem internacional, é conhecer uma nova história, fazer parte de uma nova cultura e quebrar preconceitos. Todo tipo de preconceito. Não que eu seja totalmente familiarizada com a distância, mas com o tempo você acostuma e percebe que ao invés de sofrer por saudades, é bem melhor sofrer pelo pouco tempo que tem pra conhecer tudo que você quer conhecer.

20150423_154858