Seja a mudança que você quer ver

Dizem por aí que quando passamos por algo transformador em nossas vidas, a nossa vontade de mudar o mundo, ou fazer a diferença em algo, começa a gritar mais alto. E felizmente isso é verdade. Depois que voltei da Colômbia (sim, tudo agora vai se remeter a isso), os meus olhos passaram  a ver as coisas de uma maneira diferente, o meu coração, os desejos passaram a ser outros e a minha opinião sobre algumas coisas, foram sendo modificadas.

É o que eu e as minhas novas irmãs (Chris e Amanda) sempre dizíamos nos últimos cinco meses, “quando passamos da fronteira tudo foi quebrado, pensamentos, preconceitos e o medo do novo e do desconhecido”. Sensação maravilhosa, tenho que admitir, e que todos deviam senti-lá pelo menos uma vez na vida.

Mas no meio de tanta mudança, no meio de tanta transformação, no momento, o que eu mais desejo é fazer o bem. Sim, fazer o bem. Para a minha família, meu namorado, para a vizinha, para quem vir pedir ajuda com algo e, até, para aquele morador de rua. Me doar mais para as coisas boas da vida, fazer aquilo que eu realmente gosto e parar (nem que seja um pouco) de reclamar, e passar a ver a beleza que existe nas coisas da vida.

Uma das coisas que as pessoas também dizem é que se queremos ver a diferença no mundo, ela tem que partir primeiro da gente pra depois ir contagiando os outros. E por isso eu convido todos vocês a fazerem a diferença na vida/para alguém, que você mude os seus hábitos, suas palavras, suas atitudes e quem sabe até os seus sonhos, para melhor, claro. Que você pare de reclamar que as pessoas não fazem isso ou aquilo, e seja o primeiro a dar esse passo. Que você mostre para elas que as coias, muitas vezes, são mais simples do que imaginamos e que se todos pararem de pensar só em si, as verdadeiras mudanças vão começar a aparecer e o resultado só vai ser um, a FELICIDADE.

1d3e8bb260403b6cf4d38421cd02acb0

Um dia de cada vez…

E ela resolveu largar tudo, mãe, pai, namorado e amigos para seguir o maior dos seus sonhos, estudar em uma universidade pública. Ela já sabia que não ia ser fácil, que ia ter que passar por coisas que nunca tinha passado, que ia ter que engolir muitos sapos e, ainda por cima, saber lidar com tudo isso com um sorriso no rosto e com o pensamento sempre positivo.

Hoje ela já se acostumou com a cidade, com as pessoas, com o ritmo e com os costumes desse povo. Hoje ela esbanja um sorriso mais natural – mesmo contendo muita saudade -, e começou a se relacionar melhor com as pessoas, e aos poucos vai construindo uma nova família.

Mas eis que um dia essa família, que pra ela estava as mil maravilhas, a surpreende com certas informações que nem merecem ser colocadas nesse papel. E a tristeza volta a rondar o seu ser e ela sabe que futuramente vai ter que fazer escolhas, e que no meio dessas escolhas pessoas podem sair machucadas.

por Gabriella Pinheiro